Durante a primavera, os subterrâneos do Museu do Traje chegam a abrigam cerca de 200 morcegos-de-peluche (Miniopterus schreibersii), espécie com o estatuto de “vulnerável” no nosso país. É um morcego de tamanho médio, com um corpo com cerca de 56mm de comprimento e 12g de peso. A pelagem é acinzentada, por vezes com tonalidades acastanhadas. O pelo é relativamente curto e muito denso. As orelhas são muito curtas e têm uma forma quadrada característica.

Apesar dos subterrâneos do Museu do Traje não albergarem um grande número de animais durante as épocas do ano mais críticas para a sobrevivência da espécie (a hibernação e maternidade), são considerados importantes por várias razões. Uma delas resulta da particularidade de abrigar uma espécie que ocorre preferencialmente em grutas e minas e que encontrou nestes subterrâneos as condições microclimáticas propícias para se instalar durante parte do seu ciclo de vida. Mas, mais importante que isso é o facto de ser parte integrante do mapa de movimentos do morcego-de-peluche, tendo a recaptura de morcegos anilhados permitido detetar movimentos entre o Museu do Traje e oito abrigos diferentes, constituindo um importante abrigo intermédio entre os abrigos de hibernação e as maternidades.

Tendo em conta a importância deste abrigo e os benefícios que podemos tirar da permanência dos morcegos neste local, é essencial que se continue a proteger estes subterrâneos!

Luísa Rodrigues (1) e Jorge M. Palmeirim (2)
(1) Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (2) Departamento de Biologia Animal e Centro de Biologia Ambiental, Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa.