O seu navegador necessita de suporte Javascript para esta funcionalidade. Museu Nacional do Traje - Exposição Permanente
18 de Outubro de 2017
Utilize as teclas de atalho Alt+2 para navegar para a área de pesquisa do sítio web.
Utilize as teclas de atalho Alt+1 para navegar para a área de conteúdos do sítio web.

Exposição Permanente

Contamos-lhe permanentemente a história de O Traje em Portugal do séc. XVIII à Contemporaneidade no andar nobre do Palácio. A exposição está organizada em vários núcleos que permitem visitas independentes e facilitam a rotação das peças, foi esta a forma que encontrámos para o convidar a repetir a visita e proporcionar novos encontros com outras peças. Em simultâneo, garantimos a maior durabilidade possível para a coleção, alternando o tempo de exposição com períodos de descanso na reserva técnica de forma a diminuir o esforço dos materiais.

O traje palaciano e o traje de corte encontram, no grande salão deste piso, o seu ambiente de época, entre lambris de azulejo, decoração pintada parietal e tetos ricamente ornamentados com estuques, parecendo por vezes que os motivos florais bordados espelham os motivos florais pintados, em que um vestido plis Watteau dialoga com o seu homónimo em azulejo.

O traje Império, Romântico, Belle Époque ou mesmo o traje interior, apresentados nas salas que se sucedem, também elas com decoração temática e designações que nos remetem para uma perceção intimista do espaço - a sala das armas, a sala da música, por exemplo – oferecem-nos cenários em que pouco mais é preciso para recriar os cenários de estudo e lazer em que os primeiros duques de Palmela criaram os filhos e a sua futura nora e segunda duquesa.

Este percurso é repentinamente interrompido com uma pequena apresentação das soluções técnicas que foram adotadas ao longo do tempo para se conseguir as diferentes silhuetas: da crinolina à tournure, os volumes, as soluções e os materiais variaram, mas foram sempre usados sobre o traje interior.

E se o Interior do Traje é toda uma história, o Traje na Intimidade explica-nos o dress code que as senhoras seguiam na intimidade do lar: regras aplicáveis usualmente às classes sociais mais elevadas, obrigavam a várias mudanças de traje ao longo do dia.

Num registo completamente diferente – um espaço branco, neutro, inócuo – fala o Traje do Século XX até à Contemporaneidade, e fala do tempo em que o mundo e a moda mais mudanças conheceram, de um tempo em que as sociedades e as diferentes culturas mais se influenciaram e mais ousaram. Das fibras naturais às sintéticas, do algodão aos poliuteranos ou ao vidro têxtil, da saia comprida às hot pants, dos veludos aos têxteis inteligentes com tecnologia incorporada, dos investigadores e criadores aos utilizadores – nós! – há todo um novo mundo têxtil pleno de caminhos que não cessam de surpreender.



  • Recomende este sítio web